Navigation



 

Cuidados com a Lata de Alumínio

Garantia

A indústria de latas, assim como os fabricantes de bebidas, respeitam padrões internacionais, além de normas próprias de produção, e garantem a qualidade e a integridade de seus produtos;

As bebidas, assim como qualquer outro produto - inclusive os naturais como frutas e verduras ficam em armazéns antes de serem transportados e vendidos em supermercados, bares e restaurantes. O risco de contaminação, durante este trajeto, existe para qualquer tipo de embalagem ou produto (você comeria uma maçã sem antes lavá-la?);

A alternativa para evitar problemas é uma só: hábitos básicos de higiene;

Dica para o Consumidor


Para evitar o risco de contaminação com urina de rato, bebidas como água mineral, refrigerantes e cervejas não devem ser ingeridas diretamente de latas, sem que essas sejam lavadas adequadamente. Outra forma de prevenção é a utilização de um copo limpo ou canudo plástico.


Fornecedores e Clientes

Um longo caminho precisa ser percorrido até que as latas cheguem aos pontos de venda e aos consumidores. Durante o percurso inúmeros fatores podem impedir o perfeito estado das latas. Saiba um pouco sobre os vazamentos em latas de alumínio, suas causas e conseqüências.

A Corrosão

Os vazamentos por corrosão no fundo das latas são graves e podem provocar perdas em grande quantidade. O processo é dividido nas etapas de vazamento primário e corrosão secundária.

Vazamento primário:

O vazamento primário pode ser originado por um processo corrosivo na tampa, um vazamento pela recravação ou uma ruptura nas latas.

Processo corrosivo na tampa: Quando acontece na região da linha de corte da tampa, causa seu enfraquecimento. A conseqüência é a ruptura da escotilha da tampa e o vazamento do líquido do interior da lata, fenômeno conhecido como blow out. A maioria dos casos de blow out ocorre em latas de refrigerantes, isotônicos e energéticos. O fenômeno normalmente se manifesta entre 5 e 25 dias após o envase, próximo ao final da cadeia de distribuição, em estoques de distribuidores e clientes. Diversos fatores podem originar o blow out. Confira todos e saiba como se prevenir:

Cloretos nas águas do processo: Evitar concentrações superiores a 20 ppm.

PH da água do processo: Manter o pH entre 6.5 e 7.5

Lubrificantes de esteiras: Usar lubrificantes sintéticos com pH neutro.

Condensação de umidade: Ajustar a temperatura da água de aquecimento do warner acima do ponto de orvalho.

Umidade residual não removida: Eliminar a umidade remanescente sobre as tampas antes do embalamento com sopradores de secagem.

Variação de temperatura: Incluir boa ventilação e proteção contra a ação direta de sol e chuva nas áreas de estocagem.

Vazamentos pela recravação: Uma outra origem do vazamento primário. Verifique os problemas que causam o vazamento pela recravação e saiba como evitá-los:

Latas e tampas danificados: Inspecionar os pallets antes de sua colocação em linha e eliminar as latas amassadas na despaletizadora, além de manter os transportadores e vedações das válvulas da enchedora em bom estado.

Problemas de recravação: Analisar a recravação, permitindo o monitoramento do equipamento e o fornecimento de elementos para a adoção de medidas corretivas.

Paradas prolongadas: Reduzir a temperatura dos equipamentos, evitando também o estufamento de tampas e ultrapasteurização do produto.

Ruptura nas latas: O manuseio inadequado é o principal causador desse problema. Saiba suas causas e soluções:

Carregamento: Garantir que não existam objetos ou saliências dentro dos caminhões.

Abrasão entre latas: Não desarmar os pallets para transporte a granel e acomodação direta sobre o caminhão.

Fixação e proteção: Embarcar e fixar a carga adequadamente, usando uma lona térmica ou, no mínimo, uma lona impermeável como proteção.

Movimentação: Usar blocos limitadores nos garfos das empilhadeiras e movimentar, tanto latas cheias como vazias, de maneira suave.

Armazenagem: A altura não deve exceder três pallets de até 12 camadas cada um e o espaço entre as pilhas deve ter, no mínimo, 50 centímetros.

OBS: Não jogar as bandejas nem pegar pelo plástico ou bordas da caixa.

Corrosão secundária:

A corrosão secundária ocorre de fora para dentro das latas, geralmente no fundo. O vazamento primário molha a caixa ou a bandeja com a bebida, que geralmente tem pH ácido. O líquido vazado ataca o fundo das latas. Durante o transporte, a temperatura elevada torna a ação ainda mais agressiva. Começa então uma reação em cadeia, com mais latas corroídas e apresentando vazamento.

Escurecimento do Anel e do Fundo das Latas
Outro problema que ocorre com as embalagens de alumínio é o escurecimento ou aparecimento de manchas no anel da tampa e no fundo da lata. São apenas alterações de aparência, mas que prejudicam a apresentação dos produtos. As causas do escurecimento são:

pH da água superior a 7.5 ou inferior a 6.5

Temperatura de pasteurização > 61º

Permanência prolongada do warmer e pasteurizador


 
Rexam